Título: O Exorcista (Edição de 40 anos)
Autor: William Peter Blatty
Gênero: Terror, suspense e mistério
Ano: 2013
Editora: Agir
Tradução: Carolina Caires Coelho
Número de páginas: 336
Skoob: AdicioneCompre: Amazon

Sinopse: O mal toma várias formas e a literatura e o cinema parecem se desafiar a criar inúmeras personificações desse mal. Seja com monstros, formas deformadas de nós mesmos, ou demônios, a indústria do entretenimento sempre foi bem-sucedida em representar a essência do nosso lado mais reprovável. O exorcista, no entanto, conseguiu ultrapassar esse limite. Inspirado em uma matéria sobre o exorcismo de um garoto de 14 anos, o escritor William Peter Blatty publicou em 1971 a perturbadora história de Chris MacNeil, uma atriz e mãe que está filmando em Georgetown e sofre com as inesperadas mudanças de comportamento de sua filha de 11 anos, Regan. Quando a ciência não consegue descobrir o que há de errado com a menina e uma nova personalidade demoníaca parece vir à tona, Chris busca a ajuda da Igreja no que parece ser um raro caso de possessão demoníaca. Cabe a Damien Karras, um padre da universidade de Georgetown, salvar a alma de Regan, enquanto tenta restabelecer sua fé, abalada desde a morte de sua mãe. Em O exorcista, Blatty conseguiu dar ao demônio a sua face mais revoltante: a corrupção da alma de uma criança. A jovem Regan é, ao mesmo tempo, o mal e sua vítima. Ela recebe a pena e a revolta dos leitores e espectadores em doses equivalentes e, mesmo quarenta anos depois, seu sofrimento e o abismo entre o que ela era e o que se torna continuam nos atormentando a cada página, a cada cena. Até, enfim, descobrirmos que não se trata apenas de uma simples história sobre o bem contra o mal, ou sobre Deus contra o demônio, mas sobre a renovação da fé.


“Que dia excelente para um exorcismo, aliás.”

Meu primeiro contato com o autor William Peter Blatty foi com o livro A Nona Configuração, (que, aliás, já troquei no skoob) e foi uma leitura razoável. Mas nada surpreendente.  Ao ler O Exorcista fui completamente conquistada. Além de uma escrita muito agradável narrada em terceira pessoa, tem uma trama envolvente e viciante.



“O oculto é algo diferente. Eu me mantive longe disso. Acredito que mexer com ele pode ser perigoso. E isso inclui mexer num tabuleiro de Ouija.”

O filme O Exorcista (1974) foi meu terror da adolescência. Lembro que tremia na base quando inventava de assistir, mas era um dos meus filmes favoritos de terror. Mesmo com medo, amava. Claro que hoje em dia não tem mais o mesmo efeito. Quanto a minha experiência com a obra que deu origem a este filme maravilhoso, não foi diferente, se tornou favorito também.

 Nesta história iremos conhecer Chris e sua linda filha Regs de apenas 11 anos. Chris se divorciou e vive com sua filha, secretaria e dois empregados. Tem uma boa vida, e está passando por um momento importante na sua carreira. Mas quando Regs completa seus 12 anos. Coisas estranhas começam a acontecer. A menina muda de temperamento tem atitudes estranhas como fazer xixi na roupa ou falar coisas que não falava antes, como palavras obscenas e ameaças. Regs era uma menina tímida, doce e reservada, então as atitudes que ela toma agora deixam a mãe muito preocupada. Agora é irritada, tem acessos de raiva, chuta as coisas e tem insônia.


“- Mãe, por que a cama está chacoalhando? – gritava ela. – Faça parar! Estou com medo! Faça parar! Mãe, por favor, faça parar!
O colchão da cama sacodia violentamente de um lado para o outro.”

 Fora os ruídos que se ouve pela casa, Chris se preocupa com o amigo imaginário que Regs diz ter, e que fala com ela. A sua mãe pensa logo que talvez essa atitude deva ser pela separação dos pais. Mas outras coisas estranhas acontecem também. Regs diz sentir um cheiro ruim em seu quarto entre outras sensações, mas o que deixa Chris mesmo chocada é encontrar a filha gritando em cima de sua cama que não parava de chacoalhar.

Chris é ateia então não vê problema algum em ter um tabuleiro de ouija em casa. Muito menos que sua filha brinque com ele. Mas o amigo imaginário de Regs conversa com ela por esta tábua no inicio. Ao ver que as coisas só pioram, a atriz decide procurar um médico, que irá dá algumas orientações e indicar especialistas, aonde chegam à conclusão que Regs sofre de problemas psicológicos, e veremos várias teorias como esquizofrenia, epilepsia, distúrbios no lobo temporal, e ainda dizem que antigamente algumas pessoas com estes problemas era as vezes tidas como pessoas possuídas. 
E assim só aumenta o sofrimento desta família, muitos remédios para conter Regs, vários exame desconfortável para tentar descobrir algo e tudo só piora. Regan, está cada dia mais debilitada e assustada. Perde completamente a noção, e parecem existir duas pessoas no mesmo corpo.

O Exorcista mexe conosco, nos traz cenas tristes, incomodas e nojentas. Regan fará coisas bizarras e que com certeza irá te trazer desconforto em algum momento. É uma trama muito interessante onde te dá informações e você mesmo tirará suas conclusões, afinal, a pequena Regan está mesmo possuída por um demônio, ou é apenas uma doença mental. E esta dúvida será plantada durante toda a trama, e assim dependendo do que você acredita, com certeza encontrará um diagnóstico para Regs. O livro é incrível, trata de religião, ciência, fé, medos, família e amor. Consegue ser assustador e brilhante. E é difícil conseguir largá-lo. William consegue te envolver do inicio ao fim.  Também teremos personagens maravilhosos, desde a pequena Regs, com seu “demônio”, que  é extremamente sagaz e malvado, o padre Karras que é um homem muito forte e nos trará esta luta contra o bem e o mal. Chris que mostra todo o poder feminino. Ela é corajosa, destemida e luta até o final. Temos também os empregados e um detetive que serão interessantes para a história. Como podem ver, não achei defeito na obra. Gostei de tudo, enredo, narração, personagens, ambientação, tudo harmonioso e sombrio. Só posso recomendar fortemente este clássico do horror, que deve ser com certeza lido, por quem quer se aventurar no gênero ou quem já é  amante do terror.

"Costumo ver a possessão nas coisas pequenas, Damien. Nas picuinhas e nos desentendimentos; na palavra cruel e cortante que salta livre à língua entre amigos. Entre namorados. Entre marido e mulher. Temos muito disso e não precisamos de Satanás para criar nossas guerras. Conseguimos criá-las sozinhos... sozinhos.”
  








17 Comentários

  1. Enviamos um convite para o teu email :)

    ResponderExcluir
  2. Gosto muito da história, mas confesso que só vi o filme uma vez pq só a abertura dá um medinho. Já havia visto o livro antes, mas acabei deixando de lado por um tempo, mas não é uma leitura que irei descartar, pois gosto mais de ler esse gênero do que ver nas telonas.

    Raissa Nantes

    ResponderExcluir
  3. Menina, eu corro de filmes, livros, seriados de terror porque eu levo susto com a minha sombra. Por melhor que seja, essa dica não é pra mim! Mas parabéns pela resenha, ficou muito boa!

    ResponderExcluir
  4. Olá.
    Genteeee que diagramação bonita heim. Parabéns para a editora.
    Embora sua resenha tenha ficado muito bem escrita, bem explicativa e estruturada, eu dispenso a leitura, pois como nunca li nada de terror e sou muiito medrosa acho que esse livro não seria o ideal para eu começar hahahahhahaa.
    Nunca assisti nem o filme, realmente não dá para encarar. Saber que o livro tem cenas tristes e nojentas já me faz revirar o estômago, pois imagino do que se trata mais ou menos hahahaahahha

    ResponderExcluir
  5. Eu vi o filme, mas não li o livro ainda. Confesso que as ditas partes nojentas são o que me incomodam mais. Apesar ter gostado do filme, não tenho tanto interesse no livro.
    Bjs

    ResponderExcluir
  6. Já tinha lido e assistido várias resenhas a respeito desse livro, mas ninguém nunca tinha falado sobre esse tabuleiro de ouija! Sempre pensei que a questão da possessão viesse do nada etc, algo que não me agrada muito... Sempre tive muito medo dessa história e ainda não tenho coragem para lê-la! kkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  7. Oi Ana! :D
    Esse livro parece ser fantástico, só não sei se consigo ler, pois nunca consegui olhar o filme, na verdade ainda tenho um certo pavor das imagens que encontro do filme na internet e que se mantém em minha memória. kkkkkkkk
    Sua resenha está perfeita, consegue nos transmitir tudo que o autor Willliam criou e o tão envolvente é sua escrita. Só tenho que criar coragem! kkkkkkk É mais fácil eu criar para o livro, pois gosto de ler livros do gênero terror, do que para assistir o filme.

    Beijocas e até logo! ^^

    ResponderExcluir
  8. O filme também foi meu terror, mas da infância, quero ter a edição do livro em casa, acho bem interessante e curto o enredo.

    ResponderExcluir
  9. Sou muito medrosa pra esse tipo de leitura. Acredita que nem vi o filme? Haha
    Se eu ler fico um mês sem dormir.
    A sua resenha ficou ótima!

    ResponderExcluir
  10. Oiiie
    aaah eu necessito desse livro, sou louca para ler desde que assiti o filme, parece ser muuuito mais legal por ser livro e a edição esta bem bonita, adorei a resenha
    Beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Olá, adoro todo esse universo de O Exorcista, mas ainda não li o livro e foi otimo poder ver suas impressões sobre o mesmo. Realmente o enredo é incrivel, a diagramação da Dark como sempre impecável.

    ResponderExcluir
  12. Oii, parabéns pelas fotos, ficaram lindas!
    Confesso que só ao ler tua resenha já fiquei com medo rsrs, esse infelizmente não é um gênero que costumo ler, apesar de sentir uma vontade imensa de mudar isso, mas ainda não me sinto preparada. A diagramação do livro é linda, como todos da Dark
    bjs

    ResponderExcluir
  13. Olá, tudo bem?

    Eu admito que só assisti aos filmes Exocista. Adquiri recentemente o livro de William Peter Blatty e pretendo ler em breve, ainda mais após a sua resenha. Quando era criança eu passava longe dos filmes kkkk
    Bjus

    ResponderExcluir
  14. Olá!
    Sua resenha ficou sensacional! Minha primeira experiência com a história foi através do filme e menina, tenho medo até hoje. Morro de vontade de assistir essa série de TV mas o medo fala muito mais alto então acho que com o livro não seria diferente. Uma pena, pois parece ser uma história maravilhosa.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  15. Oi Ana,
    Primeiramente, ótimas fotos!
    Menina, estou com 23 anos e até hoje não tive coragem de ver o filme do exorcista, morro de medo! Ler o livro então?? Só no próximo século! hahaha
    Apesar da sua resenha ter sido ótima, eu morro de medo de possessão e exorcismo, por isso não leria. =[
    Beijos
    Blog Relicário de Papel

    ResponderExcluir
  16. Oi Ana, sua linda, tudo bem?
    Nessa black friday, tinha um box vendendo esse livro e um outro de terror, não lembro o nome, muito barato, menos de vinte reais os dois juntos. Mas sou medrosa, eu vi o filme o Exorcista e confesso que hoje, não assistiria novamente. Só por isso não tive coragem de ler o livro. Mas tenho certeza de que é incrível mesmo. Sua resenha ficou ótima!!!
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir